domingo, 5 de agosto de 2007





Paz


Um lindo dia caiu sobre a cidade, enquanto eu me virtualizava por aqui. Fugi para conferir. A natureza brinca, adolescente. O mar, como um felino. Cores, flores, amores. A vida é um dom, sempre.

Vôo. Foto de Mário Vítor Bastos.

4 comentários:

Só para raros disse...

As tuas palavras me deixaram constrangido... Considero-me um ingrato que ainda não aprendeu a amar a vida. Tampouco a odeio. Sinto-me um observador estranho, um corpo que cresceu dentro de outro.
A verdade é que, agora, me interesso pelas adversidades e antagonistas: preciso saber quem são eles.
Isso de nada tem a ver com revolta adolescente, pois já o deixei de ser.
Do começo ao final de biografias, embora eu torça verdadeiramente para os homens, na maioria das vezes, são os antagonistas que vencem. E os homens que tenho conhecido têm as suas vidas arrebatadas por antagonistas tão ridículos e ínfimos! Sendo que o valor de alguém é proporcional à força do seu antagonista, chego a desdenhar desses homens...
Se as tuas palavras me deixaram constrangido, significa que, além de tudo o que eu disse, esse olhar doce me faz falta...

Raiça Bomfim disse...

Ô Ana, ler-te é sempre um afago. Sua escrita é de uma suavidade que faz a palavra parecer o vento que entra pela janela nos contando os pensamentos de quem mora no quintal.

E muito obrigada pelo carinho.

Beijo terno.

L. F. Calaça disse...

aqui também tem espaço para os "pequenos", né Ana?

dá também pra a gente entrar no casulo e tentar virar borboleta.

bjão,

Luiz

Casulo Temporário disse...

"Pequeno" é um modo carinhoso de referir pessoas jovens, a quem quero bem.

"Tudo vale a pena
quando a alma não é pequena".

Alma tem tamanho ou idade?
Afagos pra vocês, "pequenos".