sexta-feira, 9 de maio de 2008

Um poema [essencial] de Carlos Machado



Dores e Moendas


Minas dói.
Pernambuco mói.
A Bahia rói
o osso amargo de sua alegria.

Minas dói
a dor nas veias do ouro
tortura de ferro e sal
suplício do Aleijadinho
silêncio sussurrado
entre montanhas.

Minas dói
com seus poetas
seus profetas de pedra
e horizontes ríspidos.

Pernambuco mói.
Remói a cana-cainana
serpente verde
caldo grosso
que retarda o passo do tempo.
E ao rés-do-chão
bangüê bagaceira.

Pernambuco mói
maracatus
míticas Holandas
palmas de Palmares
lama do mangue.

A Bahia rói
um gosto de sombra e desencontro
pelourinho n'alma
e tanta luz e tanto alvoroço.
Mas quando os tambores
se calam
e todos os dentes se quebram
no osso
oco da alegria
- Bahia, cadê Bahia?

Resta a mesma
dor de Minas
o mesmo caldo avesso
de Pernambuco.

Atabaques, calai!
Minas dói Pernambuco dói Bahia dói
cada qual em seu recôncavo
cada qual
em sua
única
íntima
e indevassável disciplina.

Em: Pássaro de Vidro. São Paulo: Editora Hedra, 2006.

Contraluz. Foto de M. Vítor.

quarta-feira, 7 de maio de 2008

Um poema de Everardo Norões

...E se de tudo fica a poesia, após a visita de Everardo e Sônia fica, também, a amizade.



Poema VII





Restos de falas na mesa

e a náusea matinal.

O bule, a xícara, os copos.

A mão, submersa no sal,



da tarde, na planície,

tão clara, dessa mesa,

onde deslizam os repastos

da habitual tristeza



que cobre a toalha branca

de rendas. E essa fome,

bordada sobre a mesa

como as iniciais de um nome.



O jarro com flores e

as cinzas do outro dia,

fugindo aos arabescos

das rendas, tão frias,



como as coisas distantes

que nos aguardam à mesa:

o leite, o bule, o café,

o sono, a morte, a incerteza.


Em: Poemas. Recife: Fundação de Cultura Cidade do Recife, 1999. Prêmio Eugênio Coimbra (Conselho Municipal de Cultura), categoria Poesia, 1998.


Drama. Foto de M. Vítor.

Poema de janeiro

Poema de janeiro para Eulina Lordelo e Antonio Virgílio Bastos Atravessamos a estrada envoltos numa nuvem de borboletas amarelinhas. N...