Antigo escrito em agosto




Inventário de dias de agosto.

Poemas caem
como luzes que se apagam.
Imagens sombrias,
marcas de uma dor imemorial,

do existir em qualquer tempo, feição, lugar,
agosto.

Apenas por ser agosto,
é tão sombrio esse vulto de mulher que se esgueira na noite?
e o que dizer dos esconderijos,
do medo, da sombra inimiga e secreta?


[ ...


"Não sei se estou sofrendo
ou se é alguém que se diverte
por que não? Na noite escassa

com um insolúvel flautim.
Entretanto há muito tempo
nós gritamos: sim! ao eterno."

Carlos Drummond de Andrade]
Passing by . Foto de MVítor.

Comentários

Postagens mais visitadas