Eu detesto a nova reforma ortográfica!

Estou na praia, com limitado acesso à internet, mas entrei para dizer isto. Detesto mesmo!
Alguém pode me explicar por que, quando se luta, em tantas plagas, pelo reconhecimento das singularidades, inclusive de linguagens, por que haveremos de querer esta uniformidade que nos desfigura?

Comentários

Cosmunicando disse…
apoiadíssimo, Ana!!
também detesto, concordo que é uma desfiguração das nossas singularidades lingüísticas (e botei o trema só de teimosia rsrsrs)
Enquanto puder, me recuso a adotar a nova reforma, e tenho dito =)

beijão
Miguel Barroso disse…
Um horror. Eu não mudei em nada a minha escrita.


Abraços d´ASSIMETRIA DO PERFEITO
Maria Muadiê disse…
É verdade, Ana. Eu também discordo da reforma.
Aproveite a praia, amiga. Lugar abençoado.
beijos
Luísa disse…
Apenas um oceano nos separa...acordo ortográfico para quê? Não nos entendemos como estamos? Vamos baralhar e tirar o "c´s" aso factos? Então estaremos a falar de fatos (calça e casaco), um mero facto vira paletó!
Façamos um acordo...contra o acordo ortográfico!

Beijo do tamanho do oceano Atlãntico, por mares já dantes navegados...

Bom Ano 2009!
Pavitra disse…

eu tbm detesto!

sabe, acho que podemos não seguir tais regras - a nossa língua é viva e nós somos os reponsáveis por ela, somos nós, que lemos e escrevemos, que vamos torná-la o que quisermos que ela seja...

pode ser utopia, mas a regra só valerá se a acatarmos, penso assim.

beijos, ana!

fred disse…
Eu também detesto e pretendo ignorar.
Beijos
A Borboleta disse…
Estou com vc neste grito eu tambem odeio.
Anjo disse…
Estou com você e não abro.
Pelo menos nas férias....
Como professor de português não me restam muitas escolhas...
Antígona disse…
Passei por aqui agora porque temos como afinidade os interesses - Tudo o que é humano.
Salvé para a internet e para a língua que nos une, apesar das singularidades de cada lugar :)
Vim para dizer que, aqui deste lado do Oceano, também há quem não concorde com o acordo ortográfico. A mim, que trabalho com a língua, custa-me desgraçadamente a adopção destas novas formas.
No entanto, como linguísta, sei que as línguas se mantêm vivas quando se adaptam, e o seu "progresso", digamos assim, é sempre feito no sentido da economia. Caem letras que não se lêem, caem sinais que não se ouvem.
Quando comecei a andar na escola farmácia escrevia-se com ph, custou-me a habituar a escrevê-la com f.
O mesmo me está a acontecer agora. Custa-me mudar. Mas uma das várias coisas que faço é rever textos para editoras e não tenho outro remédio senão ir-me, devagar, habituando.
Gostei muito deste cantinho e virei cá, com certeza, mais vezes.
Saudações deste outro lado do Atlântico.
Mariana disse…
Concordo em gênero, número e grau.

Se não fosse a abnt, eu não queria nem saber dessa coisa tb não.
mas ela me obriga...

Postagens mais visitadas