Da memória







Do que se desfigura e reconfigura,
entre tanto.
Dos espaços onde perambulamos,
por vezes secretos, por vezes desertos.
Por vezes a pergunta: quem é você que ressoa em meu silêncio?
O rumor de passos fazendo eco,
ocupando terrenos que nem mais existem...

Por vezes não há palavras,
imagens incógnitas reverberam, resquícios do vivido,
imponderável eco.

Do que é inútil medir, se nem mais possa existir,
como se fosse a luz de uma pequenina estrela, há muito desaparecida,
mas que ainda agora nos chega -
nessas vias as lembranças fazem a curva.

A saudade nem sabe disso, e surge encarnada,
como se o passado existisse.
Por vezes, tudo em mim fantasmeia.



Walking by. Foto de MVítor.
Disponível em http://www.flickr.com/photos/mvitor

Comentários

Janaina Amado disse…
Poema sensível, Ana. Gostei muito da oposição memória/saudade. Grande abraço.

Postagens mais visitadas