sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

Pouso e plano de vôo

Realista e sonhadora



Ana Clara











Ela é o meu mais belo poema. Quando nasceu, por uma coincidência, a notícia saiu no boletim do conselho federal de psicologia. Agora, num piscar de olhos, tornou-se psicóloga.
Quase digo que não vi o tempo passar, mas vi, sim! E digo que cada minuto vale e valeu. Agora sou eu quem aprende com a força que vem dela.

Felicidades, filhinha!

Que Deus te abençoe, sempre.
Com amor,

mamãe.

Obs. As fotos não são de Vítor... e a seqüência é de baixo pra cima.

quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

Um caderno amarelo e vôos


A infinita alegria do amarelo. Esta janela que se abre, este avião, tantos vôos. A cada dia, o mesmo material, as mesmas imagens, recorrências.

Fluência prestes a se desatar. Repouso em palavras que leio. Em mim, ainda o silêncio da impossível transcrição. De outras poéticas. Do que realizo, missão que cumpro, quase que um legado.

Venho ao Crato, desatando, à primeira vista, estranhamentos. Registro de afeto, subjacente, como se o tempo não transcorresse. Agora espero sobrevoar o Cariri, seu céu amplo, seguro como um abraço.

Dentro de mim, ainda, meu olho esquerdo que não posso arrancar.