High




São estes os acontecimentos:



A chuva me disseca.

A tarde me possui que me dissolvo.

Tenho que fechar os olhos para não desvairar totalmente, tomada em pleno trânsito por tal emoção.

A chuva são mil vagalumes, imagens inebriantes.

A chuva é delírio, desvario em plena tarde.

Intoxico-me sem defesas.

São poros abertos, brônquios em êxtase, chuva em todo o corpo e em toda a alma, e tenho que fechar os olhos para não desvairar.

As margens da estrada são magia, pura vibração e me emociona até mesmo uma fachada de shopping onde as sombras flutuam pelo efeito das luzes dos carros que passam.

Isso a chuva faz comigo:

querer pensar em nada.



Foto: Cores em fuga. MVítor.

Comentários

Ana Cecília disse…
A foto (linda!) combinou total!
Álvaro Machado disse…
Intensificar momentos do dia, os poetas são mágicos!
Ana Cecília disse…
Renata, Alvinho: é o que vocês sentiram, um momento em que é possível expressar a intensidade do sentir. Obrigada pela visita!
Fernanda disse…
quanto tempo que eu não passava por aqui, Ana! Tudo tão lindo!
Um beijo,
Fernanda

Postagens mais visitadas