sexta-feira, 18 de novembro de 2011

O poesia.net, de Carlos Machado, está de volta

O excelente Boletim poesia.net, editado por Carlos Machado, está de volta: com Drummond (edição anterior) e, esta semana, com Rubem Braga.

Esta é uma das melhores notícias literárias dos últimos tempos!

Segue o link para o site:

http://www.algumapoesia.com.br/

De lá, é possível acessar o poesia.net e cadastrar-se para recebê-lo regularmente.

Na epígrafe da edição de hoje, Mário Quintana: «Todos os poemas são um mesmo poema.»

Dizia Bruno Tolentino, que foi um dia um amigo querido: "como é possível passar um só dia sem ler poesia"?

É sempre este o meu espanto. É quando sinto que me furto à vida, à verdadeira.

terça-feira, 8 de novembro de 2011

Novidades no Casulo pós-Bienal

Implementei no Casulo essa coisa curiosa que se chama "gadgets". São dois:

a versão digitalizada de "A Impossível Transcrição", em pdf, via ISSUU.

o vídeo (pelo Youtube) da leitura que fiz do poema "Dor", na Praça do Cordel e da Poesia (3/11/11).

São facilmente localizáveis na coluna à direita.

Espero que vocês, leitores, gostem dessas novidades.

sábado, 5 de novembro de 2011

Os novos poetas

Esta Bienal 2011 é um celeiro de jovens poetas - eles me comovem: delicados como Monica Menezes, performáticos como Gibran Sousa, intensos como Darlon Silva. Poetas que já nascem lançados no mundo, em plena sociedade do espetáculo. Menestréis pós-modernos, rompendo fronteiras entre privado e público, ousando novas formas e novos recursos, inscrevendo a poesia na praça, na blogosfera, nas redes sociais (que, afinal, são a praça...).

Queridos jovens poetas, vocês me comovem e me interessam. Quero acompanhá-los e saber de vocês.

Obrigada a José Inácio Vieira de Melo! Você fez a festa e conseguiu reunir essa gente bonita.

Registro, para homenageá-los, o momento especial em que Gibran Souza disse o poema "seu nome" (sem maiúsculas), do jovem poeta paulista Fabrício Corsaletti. Uma pena que não tenhamos o vídeo.



seu nome


“se eu tivesse um bar ele teria o seu nome
se eu tivesse um barco ele teria o seu nome
se eu comprasse uma égua daria a ela o seu nome
minha cadela imaginária tem o seu nome
se eu enlouquecer passarei as tardes repetindo o seu nome
se eu morrer velhinho, no suspiro final balbuciarei o seu nome
se eu for assassinado com a boca cheia de sangue gritarei o seu nome
se encontrarem meu corpo boiando no mar no meu bolso haverá um bilhete com o seu nome
se eu me suicidar ao puxar o gatilho pensarei no seu nome
a primeira garota que beijei tinha o seu nome
na sétima série eu tinha duas amigas com o seu nome
antes de você tive três namoradas com o seu nome
na rua há mulheres que parecem ter o seu nome
na locadora que frequento tem uma moça com o seu nome
às vezes as nuvens quase formam o seu nome
olhando as estrelas é sempre possível desenhar o seu nome
o último verso do famoso poema de Éluard poderia muito bem ser o seu nome
Apollinaire escreveu poemas a Lou porque na loucura da guerra não conseguia lembrar o seu nome
não entendo por que Chico Buarque não compôs uma música para o seu nome
se eu fosse um travesti usaria o seu nome
se um dia eu mudar de sexo adotarei o seu nome
minha mãe me contou que se eu tivesse nascido menina teria o seu nome
se eu tiver uma filha ela terá o seu nome
minha senha do e-mail já foi o seu nome
minha senha do banco é uma variação do seu nome
tenho pena dos seus filhos porque em geral dizem “mãe” em vez do seu nome
tenho pena dos seus pais porque em geral dizem “filha” em vez do seu nome
tenho muita pena dos seus ex-maridos porque associam o termo ex-mulher ao seu nome
tenho inveja do oficial de registro que datilografou pela primeira vez o seu nome
quando fico bêbado falo muito o seu nome
quando estou sóbrio me controlo para não falar demais o seu nome
é difícil falar de você sem mencionar o seu nome
uma vez sonhei que tudo no mundo tinha o seu nome
coelho tinha o seu nome
xícara tinha o seu nome
teleférico tinha o seu nome
no índice onomástico da minha biografia haverá milhares de ocorrências do seu nome
na foto de Korda para onde olha o Che senão para o infinito do seu nome?
algumas professoras da USP seriam menos amargas se tivessem o seu nome
detesto trabalho porque me impede de me concentrar no seu nome
cabala é uma palavra linda, mas não chega aos pés do seu nome
no cabo da minha bengala gravarei o seu nome
não posso ser niilista enquanto existir o seu nome
não posso ser anarquista se isso implicar a degradação do seu nome
não posso ser comunista se tiver que compartilhar o seu nome
não posso ser fascista se não quero impor a outros o seu nome
não posso ser capitalista se não desejo nada além do seu nome
quando saí da casa dos meus pais fui atrás do seu nome
morei três anos num bairro que tinha o seu nome
espero nunca deixar de te amar para não esquecer o seu nome
espero que você nunca me deixe para eu não ser obrigado a esquecer o seu nome
espero nunca te odiar para não ter que odiar o seu nome
espero que você nunca me odeie para eu não ficar arrasado ao ouvir o seu nome
a literatura não me interessa tanto quanto o seu nome
quando a poesia é boa é como o seu nome
quando a poesia é ruim tem algo do seu nome
estou cansado da vida, mas isso não tem nada a ver com o seu nome
estou escrevendo o quinquagésimo oitavo verso sobre o seu nome
talvez eu não seja um poeta a altura do seu nome
por via das dúvidas vou acabar o poema sem dizer explicitamente o seu nome”

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

Na Praça do Cordel e da Poesia, 3/11

É tribal a festa da Praça, festa de todos que fazem poesia e cordel.
Tantas singularidades e também festa da diversidade - mas a mesma emoção.
Como diz José Inácio Vieira Melo: é a força da linguagem poética.
Agradeço a todas as pessoas queridas que se fizeram presentes, indo lá e também de outras modos!